O que nos torna grandiosos e “bem sucedidos”?

Nós vivemos em um mundo que estimula a competição, a disputa é o combustível que move a sociedade, precisamos ter o carro do ano, o último lançamento de celular, roupas de marca que carregam o preço estampado no nome, e tudo isso se resume em que? Na maioria das vezes em fazer você se sentir melhor que a pessoa que está ao seu lado.

Pra além da questão do que nós temos, somos colocados o tempo inteiro a prova pelo que nós somos, temos a tendência a comparar a vida das outras pessoas com a nossa, a nos sentir mal quando alguém que tem a nossa mesma idade é mais “bem sucedido” que a gente.

E isso não ocorre apenas quando nos comparamos com pessoas que realizaram feitos considerados incríveis, ocorre no seio da nossa família, com nossos amigos, com pessoas próximas.

Fulano foi promovido, o outro fulano já tem casa própria e agora vai comprar um carro, teu melhor amigo viajou o mundo inteiro, tua prima tá trabalhando em uma pesquisa revolucionária, tua irmã é uma artista de muito renome, e você?

Você se afunda aos poucos no canto escuro do seu quarto e também da sua alma, você se sente incapaz, porque perto de todas essas pessoas o que você luta e faz diariamente, com muito ardor, não é absolutamente nada. Você foca em todas as vezes que achou que estava fazendo algo grande, mas que no final apenas resultou em um grande e estrondoso “NÃO”.

Você passa a olhar apenas para os seus fracassos, a dar valor apenas aquilo que deu errado, e esquece que as vezes o simples fato de levantar todo dia da cama e ainda ter forças pra continuar vivo e lutando, não é tão simples assim, dentro da sua realidade é algo grandioso.

Você esquece que só vê metade da vida das outras pessoas, que você só tem acesso aquilo que elas querem te mostrar e também aquilo que deu certo. Elas raramente irão falar das portas que se fecharam em suas caras, antes do reconhecimento que elas exibem com tanto orgulho. Com muito pouca frequência alguém exibe os seus momentos ruins, e em contrapartida, para você é impossível não estar em contato com esse seu lado que já passou por poucas e boas nessa vida.

A comparação é uma armadilha, e essa vida perfeita que muita gente vende por aí é uma falácia. A vida é feita de coisas boas, isso é verdade, mas na grande parte do tempo não acontecem coisas grandiosas, na grande parte do tempo nós temos acontecimentos mornos, e algumas vezes também temos acontecimentos tão ruins, que de algum modo podem te fazer achar que é fim do mundo.

E é isso que é a vida real. Ela não é feita apenas de carros do ano e roupas de marca. Não é feita com aquilo que você tem, ela é feita com aquilo que você faz, com aquilo que você quer e dentro daquilo que você pode fazer.

Existem limitações que não te deixam ser uma super pessoa todos os dias, e isso é caro a todos aqueles que experimentam a humanidade, o mundo real não é fácil, não é perfeito, e pode ter certeza que a pessoa com quem você se compara passa por problemas e por dias mornos assim como você. O ideal só está nesse lugar porque ninguém conseguiu de fato alcançar plenamente ele.

O que nós temos que fazer diante disso, na minha singela opinião, é gastar energia para tentar percorrer o caminho contrário, aceitar as nossas limitações e dificuldades e tentar fazer o melhor que podemos apesar delas e com elas.

Temos que ser mais carinhosos com nós mesmos, temos que entender que o mundo diz que nós temos que ser bons em tudo o tempo todo, mas que isso é humanamente impossível, e que está tudo bem as vezes sermos apenas medianos.

Esse sentimento de fracasso, de inutilidade, provavelmente vai voltar a aparecer, e nós temos que estar preparados para quebrar esse ciclo, se pergunte o que de fato faz uma pessoa ser “bem sucedida” de maneira geral, e o que é ser bem sucedido para você. Depois disso faço um exercício de se perguntar, porquê e pra quem você quer ser bem sucedido. E tente resignificar a palavra sucesso.

O seu caminho é apenas seu, e ele só pode ser visto através dessa perspectiva, podemos estar em consonância em muitos âmbitos das nossas vidas, porém sempre irá existir uma luta que é somente nossa, e é essa luta que tem que ser levada em consideração quando você olhar para as suas vitórias e derrotas. Olhe com mais carinho para sua história, seja mais gentil com você mesmo, e entenda que muitas vezes ser grandioso se resume em fazer o melhor com aquilo que você tinha naquele momento.

Mulher, negra, LGBT // Escrevo sobre amor para aliviar a alma. Escrevo sobre a dor para tentar curá-la. Escrevo sobre a realidade para tentar mudá-la.

Mulher, negra, LGBT // Escrevo sobre amor para aliviar a alma. Escrevo sobre a dor para tentar curá-la. Escrevo sobre a realidade para tentar mudá-la.