Não tenha medo de usar a sua voz !

Eu sempre tive muito medo de usar a minha voz. Medo do julgamento, medo da exposição, medo de estar falando algo completamente inadequado ou irrelevante.

E esse medo me fez refletir sobre todas as pessoas que tinham algo importante para falar, porém se calaram, por medo, pela falta de oportunidade, pela falta de um ambiente que as incentivasse a usarem sua voz.

Desde muito nova eu tive opiniões que destoavam da maioria e fui julgada fortemente por não querer me adequar. De certa forma ser tão julgada me fez criar empatia pelas outras pessoas, o que como sempre me trouxe mais apedrejamentos.

Desde muito cedo eu achava que não era certo julgar ninguém sem entender primeiro o contexto de toda sua estória e isso sempre foi interpretado como uma “tolerância exacerbada”, ouvi muitos “aí já é demais”, isso porque eu simplesmente não queria julgar antes de ver e avaliar a situação por inteira.

Em contrapartida se eu tomava uma posição em alguma situação era chamada justamente do oposto, me acusavam de intolerância, só porque usei a minha voz para discordar, isso fez eu perceber que o problema não estava no conteúdo do que eu falava, mas sim no fato de eu eu usar a minha voz e de usá-la muitas vezes para dizer não ,quando a maioria só abaixava a cabeça e dizia, sim.

Isso acontecia porque na época eu demonstrava a força de não me calar, a força de acreditar em mim independente do que a multidão gritava em minha direção. Nadar contra a corrente obviamente possui suas dificuldades.

Mas as minhas forças foram aos poucos cessando e situações como essa fizeram eu calar a minha voz, não importava o que eu dizia, nunca estava certa, eu comecei a acreditar que o que falava não tinha o mínimo de valor, e segui carregando um mundo dentro de mim que eu achava bobo e sem conteúdo nenhum para ser compartilhado com outro alguém. Deixei a correnteza me levar. Cansei de tentar nadar.

Aos poucos comecei a escrever, meus textos eram desabafos, minha voz clamava por ser liberta, assim como um pássaro que sonha em voar pois se encontra preso em uma gaiola. Comecei a mostrar para alguns amigos próximos, depois comecei a postar em algumas redes sociais. Ali eu vi que algumas pessoas queriam me ouvir e mesmo quando ninguém se interessava, era maravilhoso o simples fato de conseguir materializar esse meu mundo interno em forma de palavras. Foi maravilhoso retomar um pouco da força que eu tinha outrora. Foi maravilhoso reencontrar com o meu eu que insistia em lutar por si.

Eu me realizava escrevendo textos, e a finalidade não era alcançar o mundo, era apenas dar voz ao meu mundo e assim conseguir entender que o que eu falava tinha importância e era relevante, minha voz merecia ser ouvida, eu não podia me calar quando tinha tantas coisas para falar.

Nós não somos ensinados a questionar e a montar nossas próprias teorias, a construir nossos próprios pensamentos e assim expressar a nossa opinião. Somos ensinados a abrir os ouvidos e a calar a boca e assim acreditamos que a nossa voz não tem razão alguma para ser ouvida, que não temos o que falar, porquê falar, ou que a opinião de um outro alguém já diz tudo o que nós deveríamos querer dizer.

Mas nós não nascemos para simplesmente reproduzir o que algum outro fala. Ao recebermos uma informação o processo natural é de que ela seja adaptada a nossa própria visão de mundo, e que ali já aconteça a formação de um pensamento crítico, para depois constituir a nossa própria opinião sobre o assunto em questão, para constituir a nossa voz.

Não só escute, mas também fale, sem medo, sem amarras, se no começo você achar que está sendo ignorado, não importa ! Existem inúmeras pessoas que ao contrário de você, só foram ensinadas a falar sem nunca abrir os ouvidos, e essas pessoas dificilmente, terão sensibilidade para ouvir outras vozes além daquelas que ecoam em suas cabeças. Então não se preocupe com quem vai lhe ouvir e apenas fale, isso por si só já é um ato de liberdade.

Provavelmente não te falaram mas a sua voz importa, a sua opinião não é inútil e você tem todo o direito de falar quando bem entender( só não se esqueça do respeito, fale o que bem entender sem machucar ninguém e sem se machucar também), seja dono da sua voz e não tenha medo de usá-la.

Provavelmente também não te disseram, mas se você quiser com um bom uso da sua voz é capaz de fazer uma revolução. E para começar realize um motim interno, comece com uma mudança em você, isso também é grande, é revolucionário. O que é relevante é que a sua voz importa e ela tem o poder de realizar grandes transformações.

Provavelmente você não vai conseguir mudar o mundo por inteiro, provavelmente muitas pessoas continuarão a te diminuir e a não te ouvir, pois não é fácil como já falei, destoar da multidão. Como um rebanho muitos estão acostumados a seguir um pastor, e acabar com a alienação é tarefa difícil. Porém tenha em mente que o que você tem a falar é poderoso e que pequenas revoluções também importam. Continue a resistir, eu estou aqui tentando assim como você me manter de pé e falante. Eles não podem e não vão nos calar !

Mulher, negra, LGBT // Escrevo sobre amor para aliviar a alma. Escrevo sobre a dor para tentar curá-la. Escrevo sobre a realidade para tentar mudá-la.

Mulher, negra, LGBT // Escrevo sobre amor para aliviar a alma. Escrevo sobre a dor para tentar curá-la. Escrevo sobre a realidade para tentar mudá-la.