Uma das características mais encantadoras do ser humano na minha singela opinião, é a capacidade de atribuir significado únicos, a objetos que até então desconheciam os conceitos a eles atribuídos.
A capacidade de imbuir sentimentos e emoções a imagens abstratas, a palavras até então desconectadas, a um mundo que insiste em querer roubar todos os nossos significados e nos reduzir a mera mercadoria.
Mas resistimos criando e contando novas histórias, mas seguimos remando contra a maré.
E dando vida e cor a nossa rotina que tenta a todo custo apagar o que mais de bonito temos.
A capacidade de sermos únicos e ainda assim sermos parte de um todo, que nos faz ser plural e ao mesmo tempo singular.
Que nos faz ser diversidade e coletividade, que nos faz ser contradição e linearidade, que nos faz ser quem somos, dentro do que queremos ser, que nos liberta das prisões que nos mantém incompletos e insatisfeitos e que incentiva o ódio a nós mesmos.
Mostramos dessa forma a nossa força, e falamos através das nossas histórias, que nossas existências são ricas e que merecemos o direito de viver em um mundo que respeite e aceite todas as existências e que não tente nos reduzir a tão pouco …

Mulher, negra, LGBT // Escrevo sobre amor para aliviar a alma. Escrevo sobre a dor para tentar curá-la. Escrevo sobre a realidade para tentar mudá-la.

Mulher, negra, LGBT // Escrevo sobre amor para aliviar a alma. Escrevo sobre a dor para tentar curá-la. Escrevo sobre a realidade para tentar mudá-la.